Alimentação Emocional: O Ingrediente Principal para a Obesidade

Olá Você!

     S.M.V, 1,48m viu seu peso balançando na casa dos 60 quilos após sua separação do marido. Enquanto parte do ganho de peso estava aparentemente ligada à medicação que ela tomava, o resto parecia ser o resultado do que pode ser descrito como o comer emocional. Nos últimos anos, uma maior atenção tem sido focada no problema da alimentação emocional tanto para mulheres quanto para homens. De fato, alguns especialistas chegaram a alegar que a maior parte do ganho de peso pode ser atribuída à alimentação emocional. Segundo a revista Women Today, estima-se que 75% dos excessos são atribuídos às emoções. Eu me arriscaria a citar que vai além dos 75%, segundo minha experiência profissional.

       Para um certo número de pessoas, o excesso de comida provém da ansiedade. Por exemplo, se você está consumindo uma pilha inteira de batatas fritas, é possível que a ansiedade seja a causa. Embora muitas pessoas percebam que o álcool e as drogas ilegais não são um antídoto para a ansiedade, elas podem não entender que se entregar ao conforto alimentar para combater a ansiedade também pode ser perigoso.

        Em outros casos, comer demais pode ser o resultado de depressão. Se você se sentir cansado, sem esperança e perdeu o interesse em suas atividades normais, pode estar sofrendo de um episódio depressivo. A fim de lidar com esses sentimentos desconfortáveis, as pessoas podem se voltar para a comida em um esforço para se animar. O problema é que a comida pode levar ao ganho de peso, o que pode levar a mais depressão.

        Às vezes, comer demais pode ser um sintoma de tédio. Um indivíduo pode achar que não tem nada melhor para fazer do que comer demais. Isso pode ser particularmente verdadeiro quando se está assistindo televisão ou navegando na Internet. Em vez de tentar determinar uma causa para o tédio, um indivíduo pode apenas tentar consertá-lo, entregando-se a alimentos ricos em gordura e com alto teor calórico.

         Como você sabe se você é um comedor emocional? Faça a si mesmo algumas perguntas importantes: tenho a tendência de comer quando estou preocupado? Assustado? Triste? Eu acho que comer eleva meu humor? Eu estou gastando mais tempo comendo do que me envolvendo em outras atividades que eu gosto? Minhas compulsões vem depois de eu ter sofrido decepção? Estou me voltando para a comida para lidar com a morte de um ente querido … um divórcio … ou a derrota do meu time favorito? Se as respostas para qualquer uma dessas perguntas forem “sim”, você pode estar se alimentando excessivamente por razões emocionais.

          Depois de se identificar como um comedor emocional, você precisará tomar medidas para corrigir seu comportamento. Talvez a técnica mais eficaz seja a diversão. Em outras palavras, se você se encontrar buscando o pote de biscoitos, encontre outra atividade para participar. A resposta poderia ser dar uma caminhada, fazer kickboxing ou dançar. Ou pode ser algo menos exigente fisicamente, como bordado ou crochê. A ideia é pegar as mãos … e talvez o resto do corpo … se mexer. Com o tempo, você pode achar que o desejo de comer em excesso diminui à medida que você se envolve com outras atividades.

           Outro passo eficaz que você pode dar é identificar os gatilhos para sua alimentação emocional. Você tende a comer no meio da manhã, no meio da tarde ou antes de dormir? Você está comendo enquanto assiste à televisão, enquanto está no computador ou quando está sentado na sua cadeira favorita? Fazendo a si mesmo essas perguntas, você pode identificar a hora do dia em que você come demais, bem como o local para o seu exagero. Com essa informação, você pode aprender a redirecionar seu comportamento para atividades menos engordantes.

            Outra técnica útil é desenvolver uma rede de apoio para ajudá-lo a combater o excesso de comida. Os membros da sua equipe de suporte podem incluir seu cônjuge, filhos, pais, amigos ou outros comedores exagerados. Você pode até considerar se juntar a um grupo de apoio especializado em ajudar aqueles que se envolvem em compulsão alimentar. Se você sentir necessidade de comer demais, entre em contato com um membro da sua equipe de suporte. Falar através de suas emoções pode fornecer a liberação emocional de que você precisa, tornando desnecessário comer demais.

           Se a sua ansiedade ou depressão persistir, considere a possibilidade de ser atendido por um um Psicoterapeuta e um Terapeuta floral. Ele ou ela poderá ajudar a desenvolver mecanismos de enfrentamento mais eficazes. Se você achar difícil conversar com amigos ou familiares sobre o fato de estar comendo em excesso, um Psicoterapeuta pode lhe fornecer a terapia de conversa que você precisa para superar seu problema. Você consegue, eu sei disso.

Se Você gostou deste artigo, compartilhe com seus Amigos

Ajude na divulgação da Terapia Holística como tratamento complementar na promoção da saúde e bem estar

Penha Cristina Mullett

Board Certified Holistic Health Practitioner

Você pode gostar de ler...

Artigos Populares...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *